Labels

World Order - PT

Saturday, May 14, 2016

OS 10 ERROS METAFÍSICOS MAIS COMUNS




Estou a partilhar este artigo porque realmente ainda que estejamos cheios de boas intenções, o principal na vida – na minha opinião – é respeitar o livre arbítrio e o caminho individual dos nossos irmãos. Este respeito passa por entender que cada um tem o seu processo de vida, que escolheu as suas experiências e os seus “Mestres” (aqueles que lhe irão fazer a vida de quadraditos, até que aprenda) para conseguir as metas que se propôs para esta encarnação. Tratar de ajudar segundo as nossas crenças é, na maioria das vezes, como “estudar a lição por outro”. Como sempre comento com aquelas pessoas que atendo em terapia, no momento de apresentar o exame, quem é que vocês crêem que o vai aprovar? Aquele que estudou ou o outro a quem lhe fizeram o trabalho?

Os Mestres e seres de Luz são muito claros nas suas mensagens; está bem facilitar as ferramentas, mas nunca fazer o trabalho dos outros, por mais que nos doa vê-los sofrer ou errar essa é a sua aprendizagem. Por outro lado repetir afirmações ou decretos como louros não irá servir de nada, se não cremos realmente no que estamos a fazer ou a dizer e aí vem o delicadíssimo tema das crenças, que comentarei numa outra mensagem. Sem mais preâmbulos, deixo-vos com o artigo. Bênçãos de Luz e amor, para todos. Solange.

Quando começamos a transitar o caminho espiritual, procuramos encontrar a perfeição nas nossas vidas. Tratamos de melhorar o nosso carácter, os nossos costumes, ideias, alimentação e até a vida social.

Às vezes fazemos sacrifícios com o objectivo de alcançar uma vida mais plena e feliz. No entanto muitas vezes não conseguimos chegar ao estado de êxtase ou plenitude que ansiamos.


A decepção pode levar-nos a rejeitar a tarefa que tínhamos empreendido, ou no pior dos casos, pode desmoralizar-nos ao ponto de pensar que “Deus  se esqueceu de nós”. Qualquer que seja a reacção, ela só nos está a indicar que cometemos um erro. E um erro pode ser corrigido.

O Universo funciona como um grande computador: devemos usar as teclas adequadamente para obter o resultado desejado. Quando não o fazemos, o computador pára e espera fria e silenciosamente o sinal eléctrico correcto. O Universo tem as suas “teclas” e a metafísica ensina-nos a usá-las.
Quais são? Algumas escolas esotéricas alteraram estes ensinamentos, talvez sem qualquer má intenção, mas que levaram muitas pessoas a cometer erros e a sentir-se frustrados nas suas expectativas.
Os seguintes são alguns dos erros mais comuns:

1.     ENVOLVER-SE NUMA BOLHA DE PROTEÇÃO, OU NUMA LUZ, OU NUMA COR, OU NOS ANJOS, OU QUALQUER OUTRA FORMA QUE PROTEJA DOS PERIGOS QUE EXISTEM NO EXTERIOR.

Esse tipo de exercício apenas consegue fomentar a ideia de que existe algo externo que pode ter mais poder que nós. A nossa mente percebe que lá fora existe algo que pode magoar-nos ou fazer-nos mal. Mas, segundo os ensinamentos espirituais, TUDO É DEUS. Portanto nada pode fazer-nos mal.

Realmente, deveríamos praticar algum tipo de exercício de reconhecimento da seguridade pessoal. Este exercício poderia ser repetir desde o coração, uma afirmação, tal como: “Aonde queira que vá, estou sempre seguro e a salvo, rodeado de irmãos. Vivo no mundo que Deus criou e só vejo amor em todos os lugares”. Em resumo, ao escolher o exercício mental ou meditação a fazer, devemos procurar aquele que nos recorda a natureza divina da vida e não o perigo que o nosso ego percebe.

Muitas pessoas crêem que ao repetir algumas afirmações, podem transformar a sua situação pessoal, o que não passa de um equivoco. Não são os pensamentos os que determinam a nossa realidade mas sim as nossas crenças. Somente os pensamentos que interiorizamos e tomamos como verdade são os que se manifestam. Dito de outra forma, aquilo que “sentimos” interiormente que é certo é o que se manifesta no mundo exterior.

A mente humana produz uma média de 60.000 pensamentos diários, a maioria dos quais são negativos. As afirmações são necessárias para conseguir fundamentar uma crença nova na nossa mente subconsciente e a repetição destas afirmações é um procedimento adequado. Mas se não lhes juntamos a emoção ou sentimento que acompanham essas ideias, não as internalizamos dentro de nós como uma verdade.

A repetição de palavras carentes de emoção não é eficaz. Portanto se eu repito “onde queira que vá estou sempre a salvo”, mas não me sinto realmente seguro, de nada me servirá. É necessário seleccionar exercícios mentais, meditações ou visualizações que fomentem as crenças de paz, harmonia e prosperidade.

2.     ENVIAR LUZ A OUTRAS PESSOAS PARA QUE ESTAS MELHOREM

Podemos enviar luz ou energia a outras pessoas para ajudá-las a se curarem de alguma doença, para que melhorem a sua situação económica, ou a sua vida afectiva e mais.
A maioria destes exercícios parecem-se mais a uma forma de manipulação do que a uma verdadeira ajuda espiritual. Primeiro e principal: se vão ajudar a outra pessoa, devem assegurar-se de que ela está a pedi-lo e necessita-o realmente. Se não for este o caso, devem trabalhar com o que estão a perceber, porque o problema é algo pessoal que vos afecta directamente e não à pessoa que está a sofrer.

A maioria dos problemas são, apenas, momentos de prova que as pessoas estão a viver; são necessários e muito úteis para o “despertar da sua consciência”. Nunca sabemos realmente, desde o exterior, o quão importante pode ser para cada pessoa a situação que está a experimentar em determinado momento. Podemos entender essa situação como algo terrível, doloroso, injusto ou inecessário, mas qualquer que seja a nossa interpretação, nunca será correcta nem completa

Enviar luz a essas pessoas poderia apressar, ou obstaculizar o seu ritmo pessoal. A nossa intervenção é inecessária e na maioria das vezes, não é mais do que um desejo egoísta de que essa pessoa resolva o seu problema rapidamente porque este nos provoca angústia e dor. Recordo que uma vez um amigo íntimo aproximou-se para dizer-me que estava muito preocupado pela minha situação. Eu respondi que a sua preocupação não me ajudava e que se queria fazer algo por mim, tinha de confiar em mim e saber que o meu Guia interior me revelaria o que eu necessitava fazer no momento adequado.

Em vez de enviar luz aos outros cada vez que vêem uma situação difícil, comecem por enviar luz a si mesmos, para que o vosso Guia interior vos faça ver a Verdade que está a trabalhar nessa situação.

3.     ACREDITAR QUE VAMOS PARA DEUS, QUE EVOLUIMOS ESPIRITUALMENTE

Não vamos para Deus, JÁ ESTAMOS EM DEUS. Tudo o que nos rodeia faz parte do grande corpo universal de Deus. Não evoluímos espiritualmente. O nosso Espírito é Perfeito e Completo; não pode nem tem que evoluir.

Na realidade é apenas uma questão de semântica, pois a evolução espiritual não existe. O que queremos dizer realmente é: O DESPERTAR DA NOSSA CONSCIENCIA para essa perfeição. E quanto mais rápido despertamos, mais plenos e felizes, ficamos.

O erro talvez seja proveniente dos ensinamentos religiosos que nos dizem que Deus está “no céu” como se estivéssemos separados d’Ele. Nós e o “céu” somos UNO e devemos aprender a reconhecê-lo e a experimentá-lo; é nisso que consiste a evolução da Consciência ou Despertar Espiritual.

4.     PREOCUPAR-SE OU ANGUSTIAR-SE POR UM FAMILIAR DOENTE OU QUE ESTÁ A ATRAVESSAR ALGUM TIPO DE CRISE

Na nossa cultura é muito natural e muito bem visto que nos preocupemos pelos nossos seres queridos. Contudo, fazê-lo só aumenta o sofrimento. Se interpretamos a nossa dor desde outra perspectiva, essa significa que acreditamos mais no poder da doença ou da crise do que no poder da solução.

Quando nos afligimos pela doença de um ser querido, estamos a dar-lhe mais poder, e consequentemente essa doença piora. A solução é fazer um esforço pessoal e reconhecer que mais além da nossa compreensão, existe uma inteligência Superior que está a actuar e que tem o poder de restaurar completamente o nosso ser querido, se é o que essa pessoa deseja realmente. Ocorre o mesmo com qualquer outro tipo de problema ou crise. Se nos preocupamos, é porque o nosso ego aceitou que existe uma força mais potente que o Poder Divino.

5.     ACREDITAR QUE SE FOI ESCOLHIDO POR DEUS

Muitas pessoas que estudam em escolas esotéricas sentem-se especiais e evoluídas. Sentem que Deus as conduziu ao lugar adequado para o seu crescimento e evolução; que a informação que irão receber é muito importante e não pode ser divulgada a pessoas que não estão tão evoluídas e portanto não possuem a capacidade de entendê-la e fazer bom uso dela.

Essa presunção converte-se numa forma de arrogância, nada espiritual, que nos faz pensar que somos privilegiados, especiais, escolhidos e que os outros estão desencaminhados ou perdidos na vida

Esta forma de arrogância vê-se nas religiões que se sentem proprietárias de Deus. Se alguém não segue o seu culto, está perdido. No Universo existe um só Deus e é o mesmo para Todos. Os humanos inventaram formas distintas de render culto, criaram dogmas e doutrinas, mas essencialmente, todos adoramos o mesmo Deus.

Todos somos iguais, aos olhos de Deus. Para Ele, ninguém está mais adiante nem mais atrás. Ninguém tem mais valor do que outro. Qualquer interpretação e classificação como ser especial corresponde ao ego humano e não ao aspecto do Divino.

6.     SACRIFICAR-SE PELOS OUTROS

Não existe nada mais inútil e insatisfatório que sacrificar-se pelos demais. As tarefas que se fazem pelos outros, deveriam ser feitas com amor, ou então não fazê-las. Tudo o que se faz com amor é agradável e portanto não pesa nem incomoda. Ao contrário do que se faz com sacrifício que provoca pressão interior, rancor, desagrado e às vezes até ódio.

O sacrifício pelos outros é aprovado socialmente e muito bem conceituado. Podemos sacrificar-nos, por exemplo pelos filhos, pelos pais, pelo companheiro(a), pela profissão, pelas crianças desamparadas, pelos doentes, por alguma instituição religiosa à qual pertencemos, ou pela empresa em que trabalhamos. A lista pode ser interminável e é apenas uma amostra das acções equivocadas do nosso ego.

O sacrifício sempre vai acompanhado pela manipulação. Por exemplo, uma mãe que deixou a sua vida de lado pelos filhos, mais tarde ou mais cedo, usará essa escolha própria para pedir algo em troca; o noivo ou noiva que muda a sua rotina de deixar de fazer certas actividades pelo outro tratará de exigir o mesmo nalgum momento.

A próxima vez que queiras sacrificar-te por alguém pergunta-te, primeiro, se essa pessoa pediu esse sacrifício. A atitude de mártir não leva até Deus, como muitos pensam. Só o caminho do amor. Se queres fazer algo pelos outros fá-lo com amor, caso contrário não o faças.

7.     DEPENDER DE AMULETOS, ESTAMPAS RELIGIOSAS, CRISTAIS, VELAS, IMAGENS OU QUALQUER OUTRO TIPO DE ELEMENTO.

É certo que os materiais têm a sua própria energia e que o contacto com eles (em especial com certos cristais de quartzo) produz mudanças na nossa vibração pessoal que podem ajudar-nos no processo de cura. Também é certo que algumas figuras, imagens e cores provocam reacções psicológicas que nos estimulam positiva ou negativamente.

As estampas religiosas e outros objectos tais como colares com cruzes, estrelas de David e outras, recordam-nos a nossa posição espiritual. O problema é que a maioria destes elementos, convertem-se em amuletos e damos-lhes mais poder do que aquele que têm realmente.

Há pessoas que se sentem indefesas sem a sua cruz, a estampa do seu santo protector, o cristal preferido, ou qualquer outro amuleto. O amuleto passa a ser Deus. Viver dependente de um objecto é limitar a Presença Divina a esse objecto. Deus é Omnipresente; está aqui, ali e em todos os lugares.

O pior ainda é quando alguém perde o seu amuleto, ou este se rompe. A maioria das vezes, interpretam-no como um mau presságio. Esta ideia provém da crença de que a pessoa fica sem protecção e portanto as energias negativas podem afectá-la.

Vivemos num Universo Mental. “Tudo aquilo em que Acreditamos torna-se Real”. Então porque não acreditar que o melhor amuleto com que sempre podemos contar é a nossa Natureza Divina? Nada nem ninguém nos pode tirar o que, realmente, somos.

8.     ACREDITAR QUE PODEMOS SER ORIENTADOS E ORIENTAR OS OUTROS

Sentir que fomos iluminados por outra pessoa ou que nós iluminamos a outros é apenas uma ilusão do ego. A verdadeira Orientação é interior, é a nossa intuição, a Voz do nosso Espírito. Muitas vezes essa voz poderá coincidir com o que escutamos no exterior e pensamos que alguém nos está a orientar. Mas, logo que aceitamos alguém como nosso ídolo, começamos a fabricar a nossa própria decepção. Sucede o mesmo ao contrário: se alguém nos idolatra e nos toma como líder; em qualquer momento da nossa vida pessoal irão ficar decepcionados.

Todos aprendemos e ensinamos ao mesmo tempo. Por tal motivo, é conveniente manter uma atitude receptiva aos sinais que recebemos do nosso ambiente e ver que ressonância produz no nosso interior.

Não somos o Salvador nem o guia de ninguém. Nenhuma vida depende dos nossos conhecimentos nem dos nossos esforços. Ninguém nos salvará, excepto nós próprios.

O melhor Guia está dentro de nós. Fala-nos com voz suave e paciente, sem obrigar-nos a nada; indica-nos sempre o caminho mais curto e mais feliz, dá-nos a ideia mais adequada e a resposta mais racional que podemos encontrar.

Por isso é conveniente praticar meditação e exercícios de relaxamento para poder escutar essa voz. Se vivemos apressados, tensos, angustiados e num ritmo acelerado, seguramente não ouviremos a “voz da intuição” e buscaremos guias externos.

Há pessoas que são muito positivas e estimulantes que podem ajudar-nos no princípio. Devemos evitar idolatrá-las e também ser idolatrados. Recordemos sempre que o “Guia mais valioso e certo está sempre dentro de nós”.

9.     ACREDITAR QUE OS MESTRES ESPIRITUAIS SÃO AQUELES QUE NOS PROVÊM DE INFORMAÇÃO TEÓRICA

Acreditamos muito facilmente que as pessoas que nos ensinam são adiantadas e que já superaram muitas provas na vida. Nalguns casos é certo, mas não em todos. O facto de que uma pessoa transmita determinada informação não a coloca num grau superior. Devemos recordar que qualquer forma de idealização ou selecção corresponde ao terreno do ego.

Os verdadeiros Mestres espirituais são aqueles que nos põem à prova e vêm disfarçados de filhos, pais, chefes, amigos, inimigos, plantas e outros. São aqueles que nos trazem problemas. Eles são os que realmente nos ensinam as lições que temos de aprender, porque nos põem à prova.

Todas as religiões do mundo ensinam que Deus é Amor, que viver com Deus significa expressar Amor aos outros. Algumas pessoas vão aos templos, igrejas, ou escolas esotéricas onde recebem esta informação, mas depois vão para as suas casas e discutem com os seus familiares, criticam os seus vizinhos, odeiam os seus chefes, os políticos, os animais, indivíduos de outras raças e culturas etc. Ainda não aprenderam a lição e consequentemente a vida levá-los-á a enfrentarem-se uma e outra vez com a mesma situação ou pessoa…até que aprendam a mostrar amor.

Ao fazer uma comparação com os ensinamentos tradicionais, os líderes espirituais ou religiosos são os “livros” que nos dão a informação, as pessoas que nos trazem problemas são os mestres que “nos fazem o exame” para ver se passamos a prova ou não.

Existe uma lei no Universo: Atraímos tudo o que nos incomoda, complica, confunde, ou tudo o que odiamos, porque temos que aprender a amar essas situações. Então esse problema ou essa pessoa converte-se no mestre espiritual desse momento.

10. ACREDITAR QUE NÃO PODEMOS FICAR ZANGADOS, COM MEDO OU SENTIR QUALQUER OUTRA EMOÇÃO NEGATIVA POR ESTAR NO CAMINHO ESPIRITUAL

Esta crença leva-nos a uma grande repressão da ira e da raiva, que fazem a sua reaparição mais tarde sob a forma de rancor, crítica ou rejeição. Enquanto estamos no plano terrestre, vivemos as sensações e as emoções deste plano. Algumas delas são muito agradáveis e outra não.

Possuir um conhecimento intelectual sobre a acção destrutiva de certas emoções não faz que elas desapareçam. Podemos saber que sentir raiva é mau e no entanto não poder evitar senti-la.

Na verdade sim podemos evitar ficar zangados, ou assustados, mas isso exige muito treino. Durante esse treino, há momentos em que podemos dominar a raiva e a ansiedade e outros em que nada nos pode acalmar. Quando a raiva aparece o melhor é descarregá-la da maneira mais positiva possível. É muito pior reprimir-se e tentar dizer: “Tudo está bem no meu mundo”, quando, interiormente, estamos a sentir o desejo primitivo, de querer atacar alguém.

A maioria das pessoas que percorrem o terreno espiritual são muito exigentes consigo próprias e pretendem eliminar completamente este tipo de reacções das suas vidas. Está correcto que o façam, mas só se consegue através de um longo processo. Sejam amáveis consigo próprios e de vez em quando dêem-se autorização para dizer um impropério, zurrar uma almofada, gritar, chorar e expressar, da melhor forma para cada um, todas as emoções negativas que estão a viver.

A maioria dos erros aqui descritos, são gerados pela atitude crítica do nosso próprio ego. Este não pode desaparecer, porque o necessitamos para agir neste plano. A solução é mantê-lo alinhado com o nosso Espírito. Podemos dizer-lhe, amavelmente: “A partir de agora, deverás seguir as indicações de um novo Mestre amoroso, amável, paciente e permanente que nunca julga e que sabe que sempre estamos a fazer o melhor que podemos”. Se seguimos as indicações do nosso Mestre interior, nunca podemos falhar.

Autor desconhecido.

Fonte: elblogalternativo.com
Tradutora: Lúcia



No comments:

Post a Comment

FINALMENTE... NOVA CAMPANHA DA LEGALIDADE

rc


info@exopoliticsportugal.com

ESOTERIC



SUBTITLES IN ENGLISH, ESPAÑOL, PORTUGUÊS

Click upon the circle after the small square for captions

DAVID LIGHT EYE -- UFO's/SCIENCE

RICHARD DOLAN



TRANSCRIÇÃO DESTE VIDEO EM PORTUGUÊS AQUI



AMUNA RA CHANNELLINGS

TURQUIA


NOTICIAS SOBRE A RESISTÊNCIA TURCA

No primeiro dia de Junho, depois de terem mandado lixar a troika, algumas dezenas de estudantes turcos a residir em Portugal juntaram-se na Avenida dos Aliados, no Porto, para apoiar os compatriotas. Dezenas de milhares de turcos têm protestado, ao longo da última semana, em Ancara e Istambul, contra o Governo de Recep Taiyyip Erdogan. Em causa está não só a decisão de construção um centro comercial no parque Gezi, mas também (ou sobretudo) um enorme descontentamento com a política de Erdogan, marcada pelo conservadorismo e pelo entusiasmo por grandes obras públicas consideradas fracturantes. O P3 quis ouvir jovens que conhecem a realidade turca e perceber qual é a perspectiva que têm sobre o conflito. Ideologias à parte, no final, a mensagem foi só uma: o povo está unido contra a violência e pela democracia.

http://insanlikolmedi.tumblr.com/

http://occupygezipics.tumblr.com/

http://www.trcanlitv.net/2013/05/halk-tv-izle.html



O MANUSCRITO DA SOBREVIVÊNCIA

Ron Head

PREZADOS/AS LEITORES/AS

AS MENSAGENS CANALIZADAS POR RON HEAD AGORA ESTÃO SENDO POSTADAS NO BLOG:

http://portugueseronhead.blogspot.com.br/