Labels

World Order - PT

Wednesday, February 22, 2017

EPIGENÉTICA por BRUCE H. LIPTON


EPIGENÉTICA por BRUCE H. LIPTON


O doutor Bruce H. Lipton, biólogo celular, foi professor da Escola de Medicina da Universidade de Wisconsin. Depois de vários anos dando aulas, converteu-se no pioneiro do estudo científico da biologia celular na Escola de Medicina da Universidade de Stanford. As suas experiências, junto às de outros líderes do campo da biologia, examinaram detalhadamente, os mecanismos com os quais as células recebem e processam informação. Os resultados destes estudos mudaram radicalmente a compreensão do funcionamento da vida, por meio de duas novas correntes científicas: a Transdução e a Epigenética.
O seu trabalho mostra-nos que os genes e o ADN, não controlam a nossa biologia, como o refere a escola de Darwin, de determinismo genético ou herança, senão que os genes e o ADN estão controlados por sinais externos, incluindo as mensagens energéticas emanadas dos nossos pensamentos, positivos ou negativos. Este conceito novo une a biologia celular com a física quântica, ao mostrar-nos que o nosso corpo pode mudar se nós mudamos a nossa forma de pensar. Estas ciências novas, a transdução e a epigenética, sugerem-nos que os estímulos energéticos que recebemos do meio ambiente, determinam a nossa qualidade de vida.
www.creandotuvida.com
Jorge Patrono entrevista o Dr. Bruce H. Lipton em San Francisco, Califórnia.
¿Somos escravos do nosso ADN ou temos a possibilidade de ser o que a nossa mente nos permita imaginar? A epigenética, dá-nos uma resposta muito animadora. Entrevista exclusiva de Jorge Patrono para www.creandotuvida.com.
Jorge Patrono- Dr. Bruce, no seu livro, “La Biología de la Creencia”, ("Biology of Belief"), você faz referência a dois novos campos da ciência genética: transdução e epigenética. ¿Será que nos poderia explicar a diferença entre ambos campos?
Bruce H. Lipton: - A epigenética trata do controlo dos genes. Transdução, que significa transformação de um tipo de sinal noutro tipo de sinal, é quando um organismo lê o sinal do meio ambiente e o traduz em comportamento e genética. Ou seja, que a transdução controla o comportamento e a genética. A transdução do sinal está acima da epigenética, porque é necessária para entender a epigenética.

A Transdução baseia-se na leitura do meio ambiente, na sua interpretação e depois na criação de uma resposta que é a contestação a um estímulo. Essa resposta pode reflectir-se na conduta ou na genética. Por isso quando falamos de genética, sempre digo que a resposta ao meio ambiente que a controla, não está relacionada com a genética regular dos livros académicos, mas sim, com a epigenética.
E o motivo pelo qual se chama epigenética é o seguinte: “epi” significa “por cima”, como epiderme, ou seja “por cima dos genes”. Agora descobrimos que o sinal por cima dos genes vem do meio ambiente, o que significa que o meio ambiente é o que controla os genes, em vez destes se controlarem a si próprios. Ao contrário do Dogma Central* (ver abaixo*), actualmente a epigenética diz que primeiro está o sinal do meio ambiente, depois as proteínas cromossomáticas, que são como cobertas que cobrem o ADN e o cromossoma e quando se removem estas capas, pode-se ler o ADN.
DOGMA CENTRAL*
Quando falamos do controlo genético na fórmula ancestral do Dogma Central: ADN>ARN>proteína, estamos a basear-nos na teoria da preeminência do ADN. (ver imagem).  Como nos indicam as setas, a informação flui numa única direcção, desde o ADN ao ARN e deste à proteína. O ADN representa a memória de longo prazo que passa de geração em geração. O ARN, uma cópia instável do ADN, é a memória activa, que é usada pela célula como um padrão para sintetizar proteínas. Estas são os blocos construtores moleculares, que fornecem a estrutura e a conduta da célula. O DNA (o ADN em português), nesta teoria convencional está considerado como “a fonte” que controla o carácter das proteínas das células, de onde vem o conceito de supremacia do ADN que literalmente significa “causa mais importante”.
Esta capa responde ao sinal do meio ambiente, quer dizer que para ler o ADN tens de ter: primeiro um sinal do meio ambiente; segundo, afectar a proteína; terceiro, quando esta proteína ou coberta cai o gene fica exposto; quarto, produz-se una cópia do gene que se chama ARN e quinto; este gera una nova proteína. Então, onde é que está o ADN? O ADN está no terceiro lugar. E porque é que isso é tão importante? Porque a biologia convencional diz que o ADN está em primeiro lugar, devido a que deixaram a proteína e o meio ambiente fora da equação. Bem, isto é epigenética e substitui o conceito clássico da genética. A epigenética diz que se queremos mudar os genes, o que temos de fazer é mudar o meio ambiente e os genes também mudarão.
J.P. – Quando se refere ao meio ambiente, está a referir-se apenas ao exterior ou está também, a incluir os nossos pensamentos?
B.H.L. – Estou a referir-me a tudo. O meio ambiente é energia universal. Abrange o Sol, os Planetas, ou seja a astrologia, tudo, incluindo os nossos pensamentos. O nosso corpo é energia, os nossos pensamentos são energia. Toda esta energia influi na nossa biologia, directa ou indirectamente.
J.P. – O doutor também declara que “A Biologia da Crença”, não é um livro de auto-ajuda mas sim de poder pessoal.
B.H.L. – Assim é. Nos livros de auto-ajuda o autor apresenta uma fórmula para ir do ponto A para o ponto B, passo a passo e se a pessoa seguir as instruções, provavelmente chegue ao ponto B. no caso de “A Biologia da Crença” eu estou a informar como funciona a nossa biologia e os leitores têm a liberdade de usar essa informação como desejarem. Não existem passos ou fórmulas a seguir.
A minha função não é dizer o que devem fazer com esta informação. A minha tarefa é fornecer os elementos para que cada leitor possa escolher o que deseja mudar na sua biologia e sinta que tem o poder para o fazer. Eu não estou a dizer o que é correcto ou incorrecto. Essa é uma decisão pessoal, derivada de uma experiência individual. A minha intenção é que depois de ler o libro, percebam que não existem os acidentes e que todos temos o poder de escolher as nossas experiências de vida. Por isso, esse é um livro de poder pessoal e não de auto-ajuda.
J.P. – Quando falamos de biologia, inevitavelmente, vem-nos à mente o tema “saúde”. Como é que podemos viver uma vida saudável sem ter que estar a lutar, constantemente, contra doenças físicas ou psicológicas?
B. H. L. – Na questão da saúde, existe uma analogia que gosto de usar, que é a caixa de velocidades de um automóvel: suponhamos que vendo um carro com caixa de velocidades manual e a pessoa que compra o auto, sempre conduziu carros automáticos, ou seja, que não tem ideia de como se usa a alavanca de velocidades e a embraiagem. Logicamente, quando puser o carro em marcha e coloque “primeira”, este não se vai mover de forma automática, senão que dependerá do uso da embraiagem. Como o condutor não tem ideia de como esta funciona, o carro andará aos saltos, as engrenagens das velocidades farão um ruído e o motor vai parar. Passadas duas semanas, a transmissão deixará de funcionar e o carro irá parar a um mecânico.
O mecânico (médico) olha para o carro (o doente) e diz: “tenho de mudar a embraiagem (medicamentos), porque está rota, (diagnóstico)”. Em nenhum momento se lhe ocorre perguntar ao condutor como usa a embraiagem e a alavanca de velocidades (medicina preventiva). Passam duas semanas e aquelas voltam a romper-se devido ao mau uso e o auto é levado novamente ao mecânico, que diz que deve mudar a embraiagem e sem saber porque se rompe, determina que é um defeito de fabricação do automóvel (doença crónica). A partir de aí o carro tem de ser reparado a cada duas semanas (medicação de por vida).
O problema é o seguinte: se ensinassem às pessoas como devem usar a embraiagem, esta não se voltaria a romper, mas também não lhes poderiam voltar a vender mais embraiagens (medicamentos = laboratórios farmacêuticos). A analogia e a seguinte: o 90% das doenças do coração são causadas por falta de cuidados do paciente, (ou seja, do condutor do veículo). E o que é que o médico diz?: “você tem um coração débil, tem as artérias tapadas, a pressão alta…e estes são os medicamentos que tem de tomar para poder continuar a funcionar”. Mas ninguém ensina ao paciente como ser um bom condutor do seu próprio veículo. Não é um bom negócio. Mas existe um médico que eu conheço que se chama Dean Ornish que em vez de prescrever medicamentos, ensina ao paciente como conduzir o seu veículo e a diferença nos resultados é enorme.
Na medicina convencional, chamam-lhe êxito ao facto de conseguir parar uma doença com drogas. Dean deixou de dar drogas aos pacientes e não só desapareceu a doença, senão que se regeneraram os órgãos que estavam afectados. Na medicina convencional, isto não costuma suceder. Mas o mais triste do caso é algo que Dean mencionou na televisão: “se tivesse usado drogas para curar e recuperar a saúde total dos meus pacientes, os outros médicos teriam seguido os meu passos e teriam usado as mesmas drogas que eu; mas como não usei nenhuma, ninguém falou do tema nem se interessou em saber como foi que funcionou assim.” O problema é que a medicina está controlada pelas companhias farmacêuticas e ensinar às pessoas como o seu corpo funciona, é um péssimo negócio.
J.P. – No seu libro, há uma referência à consciência colectiva que diz: “Assim como uma nação é o reflexo das características dos seus cidadãos, a nossa Humanidade deve reflectir a natureza básica das nossas comunidades celulares”. Será que poderia desenvolver esta ideia mais profundamente?”
B. H. L. – Estamos a alimentar células, portanto tudo o que elas necessitam, nós também necessitamos para sobreviver. Elas necessitam de oxigénio, de alimentos, de eliminar resíduos, da temperatura adequada, de um meio ambiente apropriado e é isso exactamente o que o ser humano necessita, porque tem 50 biliões de células e todas necessitam o mesmo. Então se observamos o modo em que estas vivem a sua vida e vivemos da mesma forma, estaremos a viver em harmonia com as nossas células muito mais do que o fazemos actualmente.
Se pensamos que somos seis mil milhões de pessoas a viver no mundo, a lutar pela sobrevivência e o comparamos com os 50 biliões de células que vivem no nosso corpo em perfeita harmonia até ao momento em que falecemos, perceberemos que estamos a fazer algo muito mal. Se o analisamos, veremos que no nosso corpo cada célula tem uma tarefa específica, recebe um salário, tem seguro médico e o dinheiro extra (energia) volta para a comunidade. Tudo isto, sem necessidade de um regime comunista, porque nem todas as células ganham o mesmo.
As células da pele não recebem a mesma quantidade de dinheiro (energia) que os neurónios. Estes ganham mais, porque têm um trabalho de mais responsabilidade. Mas o ponto é que todas as células recebem os elementos básicos para uma vida feliz e organizada. Todas têm tudo o que necessitam. E a realidade indica-nos que nós vivemos num mundo onde há fome e ao mesmo tempo tanta comida, que nos estamos a matar apenas por comer em excesso. Esse é o motivo principal pelo qual morremos jovens. Estamos a comer os radicais livres da nossa própria digestão, que é o que nos mata.
Quero acrescentar que poderíamos viver até aos 140 anos, mais ou menos e o motivo pelo qual não o conseguimos é porque a nossa dieta e o stress nos estão matando. Devemos voltar à dieta dos nossos antepassados, quando não existiam supermercados e tudo era mais simples e em menor quantidade. Comiam o que tinham à mão nas estações correspondentes, em menos quantidade e viviam mais tempo. O que sabemos agora, devido às experiências com ratos, a mosca da fruta ou lagarto, é que de vez em quando, encontraram-se alguns exemplares que vivem mais tempo que o resto da mesma espécie.
Os cientistas entusiasmam-se porque crêem que vão encontrar o gene da longevidade nesse espécimen, mas o que encontram é uma ironia: em todas as situações onde se vê que um organismo viveu mais tempo, não foi devido a algum gene que acrescentou algo novo, mas sim a um gene defectivo. Foi um gene que afectou o metabolismo da insulina, o que significa que o organismo não podia digerir bem a comida.
Os cientistas ao observar estes resultados, davam-lhe menos alimentos para ver se os podia digerir melhor. O resultado foi que ele vivia o dobro do tempo que o resto da sua espécie. Com isto chegamos à conclusão de que é a quantidade de alimentos que ingerimos o que nos está a matar. Não necessitamos de toda essa comida para sobreviver, porque absorvemos energia da atmosfera. Somos como máquinas Tesla, que se carregam com a energia do meio ambiente.
J. P. – Também menciona no seu libro que a epigenética está a trazer à luz novas complexidades em relação à natureza das doenças, incluindo o cancro e a esquizofrenia. Será que nos poderia esclarecer esse conceito?
B. H. L. – A velha crença diz que os genes defeituosos criam doenças. Actualmente, sabemos que a epigenética modifica a leitura do gene. A epigenética pode modificar o gene e criar 30.000 variações diferentes do mesmo gene. O que significa que podemos nascer com um gene bom e criar uma variação que é mutante ou nascer com uma variação mutante de um gene e criar uma variação saudável.
Ou seja: na velha versão nós somos os genes, mas na versão nova “nós somos o resultado do que escrevemos nos nossos genes”. Com isto, quero dizer que a maioria dos diferentes tipos de cancro são epigenéticos. As pessoas não traziam genes maus; foi o seu estilo de vida e o seu comportamento o que causou que os genes se lessem de forma defectiva, porque modificaram a sua leitura influenciados pela epigenética, mas de forma negativa. Quer dizer, que podemos provocar um cancro com a nossa forma de vida, como também o podemos curar com uma mudança de programa nessa mesma forma de vida.
A diferença está em que se os genes nos controlam, como a velha teoria o afirma, então somos vítimas, porque não o escolhemos e não o podemos mudar. Quando temos conhecimento de que alguém da nossa família teve cancro, imediatamente pensamos que também o vamos padecer.
A nova ciência diz-nos que temos um grupo de genes programados, mas podemos reescrever o que quisermos e se estamos no meio ambiente correcto e temos o apoio apropriado, podemos ter genes mutantes, reescrevê-los e convertê-los em normais. Mas a situação que a maioria das pessoas está a experimentar é que nasceram com genes normais e terminaram por alterá-los com o seu estilo de vida, criando uma leitura negativa dos mesmos. Ao mesmo tempo manifestam uma realidade negativa baseada na sua visão negativa.
J. P. – É como o caso de alguém que tem um pai diabético ou uma mãe com cancro ou que sofreu um ataque ao coração e começa a pensar que a ele também lhe sucederá o mesmo, porque crê que é algo hereditário.
B. H. L. – Exactamente. A crença é a que cria as doenças e a profissão médica também as promove, o que faz que o caso seja mais grave ainda, porque agora quem está a dizê-lo é um profissional, já não é uma ideia do paciente. Começamos muito cedo a aprender que o que um profissional nos diz, como no caso do médico, é verdade, sem questioná-lo. Então o que é que acontece quando um médico nos diz que vamos morrer numa data determinada, seja dois ou seis meses? Bom, a nossa mente subconsciente diz-nos: “o doutor sempre tem razão, é um profissional”. O que quer que seja que nos tenha dito, agora está no nosso subconsciente e este manifesta exactamente o que o médico nos disse.
J. P. – É o chamado efeito nocebo, o contrário do efeito placebo.
B. H. L. – É exactamente o efeito nocebo, ou seja, uma crença negativa o que causa a doença. Agora, como é que os médicos são tão bem sucedidos ao diagnosticar quando é que o paciente que tem cancro, vai morrer? A resposta é que eles não adivinham nada, apenas enunciam uma data que se calcula pela continuidade da forma em que tem sido tratada a doença do paciente e os resultados negativos obtidos até esse momento. O paciente criou uma crença e essa é a que termina por matá-lo, se este não faz nada por mudar a sua forma de pensar com respeito à sua doença e se dá uma oportunidade de se curar. É assim que a remissão instantânea de uma doença terminal, sucede, de uma forma que é totalmente ignorada pela medicina tradicional.
J. P. – Sabemos que os pensamentos positivos têm um efeito profundo na nossa conduta e nos nossos genes, mas no seu livro também esclarece que isto sucede somente quando os pensamentos positivos estão em harmonia com a programação do subconsciente.
B. H. L. – O que quero dizer é o seguinte: Muitas vezes as pessoas querem mudar coisas na sua vida com pensamentos positivos ou afirmações, como por exemplo: “Quero estar saudável” ou “Quero uma boa relação com o meu companheiro(a)”, mas para a maioria delas isto não funciona e ao mesmo tempo deixa-as frustradas porque pensam: “se os pensamentos positivos funcionam para outras pessoas, porque será que não funcionam para mim?”. O problema está em que os pensamentos positivos vêm da mente consciente e esta actua durante um 5% do dia.
Entretanto a mente subconsciente está a trabalhar durante o 95% do dia. Então, temos uma vida onde o 5% do tempo temos pensamentos positivos e se temos o subconsciente programado com ideias contrárias ao que queremos manifestar conscientemente, o desequilíbrio entre o que queremos e o que temos gravado no subconsciente é enorme. A isto devemos acrescentar que a mente consciente pode perceber 40 estímulos por segundo, enquanto a mente subconsciente percebe 40 milhões por segundo, quer dizer, que é um milhão de vezes mais poderosa e está activa durante 95% do tempo!
Perante semelhante diferença é impossível acreditar que se a mente consciente e a subconsciente não estão alinhadas, os pensamentos positivos podem gerar uma mudança satisfatória na nossa realidade. Mas se temos uma mente subconsciente que está de acordo com os nossos pensamentos positivos conscientes, então ambas mentes estão em harmonia e a mudança manifesta-se.
J. P. – Há um filme chamado “Water”, produzido pela produtora russa, Saida Medvedeva, onde diferentes cientistas de todo o mundo falam das propriedades da água e mencionam especialmente, o poder curativo que tem a “água estruturada” ou a água que está no seu estado natural, sem modificações do meio ambiente poluído. Já teve alguma experiência com ela?
B. H. L. – Não directamente, mas sim, estou familiarizado com o trabalho do Dr. Masaru Emoto do Japão e a sua teoria de que a água tem memória e pode ser influenciada, ou modificada pelo meio ambiente e portanto pode influenciar as funções vitais do corpo humano. Estamos a falar, basicamente dos princípios da homeopatia. O que comprovámos por meio da física foi que quando a água está numa solução e duas moléculas de água se aproximam, enviam informação uma à outra por meio de uma corrente eléctrica que gera uma vibração que vai passando de molécula para molécula.
Assim que se agregamos um químico que tenha certa vibração à água, as moléculas de água recebem essa vibração e passam-na às outras moléculas de água até chegar a um ponto em que se pode prescindir do químico original, já que as moléculas de água absorveram toda a vibração. Isto é o que chamamos de tratamento homeopático onde a água carregada com certa vibração, ao ser consumida pelo paciente, modifica a água do seu próprio corpo. É um dos procedimentos de cura holística.

Entrevista exclusiva de Jorge Patrono  para www.creandotuvida.com

Tradução: Lúcia (anjodeluz57@gmail.com)

No comments:

Post a Comment

FINALMENTE... NOVA CAMPANHA DA LEGALIDADE

rc


info@exopoliticsportugal.com

ESOTERIC



SUBTITLES IN ENGLISH, ESPAÑOL, PORTUGUÊS

Click upon the circle after the small square for captions

DAVID LIGHT EYE -- UFO's/SCIENCE

RICHARD DOLAN



TRANSCRIÇÃO DESTE VIDEO EM PORTUGUÊS AQUI



AMUNA RA CHANNELLINGS

TURQUIA


NOTICIAS SOBRE A RESISTÊNCIA TURCA

No primeiro dia de Junho, depois de terem mandado lixar a troika, algumas dezenas de estudantes turcos a residir em Portugal juntaram-se na Avenida dos Aliados, no Porto, para apoiar os compatriotas. Dezenas de milhares de turcos têm protestado, ao longo da última semana, em Ancara e Istambul, contra o Governo de Recep Taiyyip Erdogan. Em causa está não só a decisão de construção um centro comercial no parque Gezi, mas também (ou sobretudo) um enorme descontentamento com a política de Erdogan, marcada pelo conservadorismo e pelo entusiasmo por grandes obras públicas consideradas fracturantes. O P3 quis ouvir jovens que conhecem a realidade turca e perceber qual é a perspectiva que têm sobre o conflito. Ideologias à parte, no final, a mensagem foi só uma: o povo está unido contra a violência e pela democracia.

http://insanlikolmedi.tumblr.com/

http://occupygezipics.tumblr.com/

http://www.trcanlitv.net/2013/05/halk-tv-izle.html



O MANUSCRITO DA SOBREVIVÊNCIA

Ron Head

PREZADOS/AS LEITORES/AS

AS MENSAGENS CANALIZADAS POR RON HEAD AGORA ESTÃO SENDO POSTADAS NO BLOG:

http://portugueseronhead.blogspot.com.br/